segunda-feira, 15 de julho de 2013

Em Morretes, retaliação foi na base do calor


Nesta onda de manifestação e protestos com a política e políticos , houve muita retaliação pelo Brasil afora, desde gás e spray de pimenta, bala de borracha entre outra ações.

Aqui no litoral única que retaliação que percebi nas manifestações que cobri, aconteceu justamente na pacata e bela cidade de Morretes.

Lá o movimento teve um peso maior, porque foi liderado pelo Padre Luis Gonzaga Pires e a população morretense veio às ruas, desde jovens, crianças, idosos, famílias inteiras e todo tipo de trabalhadores, principalmente os da área da saúde.

O final do movimento foi diante da Câmara, onde o padre deu um discurso fantástico cobrando vereadores e prefeito. Foi aí que tiveram o gesto democrático de dar a palavra para o padre durante a sessão. Péssima ideia.

O padre que já tinha falado algumas verdades do falo de fora, teve a oportunidade de falar diretamente aos vereadores e com a Câmara lotada e gente de pé. Aí não deu outra, mico ao vivo.

Entre muitas verdades, o padre disse em plena Câmara, diante de todos vereadores o seguinte: “Vocês 11 foram eleitos para serem nossos representantes e eu sinto que nós não estamos sendo bem representados. Num país que falta médico, Morretes dispensou o médico, num país que falta dinheiro, Morretes devolveu R$ 4 milhões...” E por aí afora.

Neste momento foi que notei que estava suando bicas, assim como a maioria das pessoas que estavam na sessão. Foi quando notei que todos os ventiladores estavam simplesmente desligados.

Achei um absurdo aquilo e perguntei para uma funcionária da Câmara se eles não estavam funcionando e ela disse que estavam. Perguntei por que estavam desligados, diante de tanto calor e tantas pessoas, aí ela soltou uma pérola: “é só pedir para ligar”.

Aí não teve jeito, fotografei os ventiladores parados, enquanto o padre sentava a lenha. Imediatamente a funcionária foi pedir para ligar. Bom se isso não foi retaliação ao movimento e ao padre, não imagino o motivo pelo qual estavam fazendo todos suarem na sessão.  




Um comentário:

  1. Que bom se todos os padres fossem iguais ao de Morretes. AbrÇs. Fernando Linos - Porto Alegre/RS

    ResponderExcluir